Entretenimento

Como trabalhar em serviço voluntário no exterior

Por  | 

Que viajar é sempre memorável é algo que todos sabem. Mas já pensou em ampliar a experiência de conhecer outras paisagens, línguas e culturas ao ajudar aqueles que não tem meios de usufruir das regalias de uma viagem? O trabalho voluntário no exterior é uma atividade cada vez mais comum, mas apesar de muitos manifestarem essa vontade nem todos sabem o que fazer para concretiza-la. Conheça algumas dicas para ajudar quem precisa lá fora.

Trabalho voluntário não é sinônimo de viajar de graça.

 

Antes de tudo, é preciso entender que trabalho voluntário no exterior não significa viajar de graça. Trabalho voluntário é acima de tudo um trabalho e não deve ser confundido com as férias convencionais. Sim, há instituições que chegam a arcar com os custos de viagem e estadia de um voluntário, mas, além de raras, instituições desse porte não precisam de trabalho voluntário, uma vez que possui os fundos necessários para trazer alguém de fora.

É preferível, portanto, que se trabalhe para uma ONG ou instituição menor, considerando que esta, sim, necessita de toda a ajuda possível. E porque elas necessitam de ajuda, deve-se ter a consciência de que o voluntário precisa arcar com todas as suas despesas, já que cada fundo da instituição deve ser investido em quem realmente precisa.

Além disso, é comum que tais ONG’s e instituições mantenham-se graças às doações, logo é importante que o voluntário, mais do que o serviço, acabe por doar algo para que a instituição se mantenha. Sendo assim, se o interesse no trabalho voluntário é economizar nos custos de uma viagem, é melhor mudar os planos. O voluntariado tem muitos custos, mas o voluntário entende que o retorno é muito maior.

Os primeiros passos

É importante conhecer a instituição que deseja ajudar. Pesquise quem são as pessoas por trás do projeto, se há nativos no elenco da instituição ou se se trata unicamente de uma organização internacional. A participação de nativos é importante para que haja maior intimidade e consciência acerca das necessidades e dos problemas enfrentados por aquela comunidade. Mais do que o elenco, pesquise a respeito dos tipos de serviços prestados pela instituição e verifique se eles constituem de fato melhorias para o bem-estar dos nativos, ainda, se suas habilidades são compatíveis com esse tipo de serviço. Para tal, consulte seu plano de atividades. Se a instituição não possuir um plano, redija o seu plano pessoal considerando o que quer fazer em relação ao tempo que ficará. Embora o serviço voluntário sempre nos faça bem, tente sair de sua zona de conforto e deixe de fazer apenas coisas que te façam e prefira fazer o que fará bem aos outros.

O voluntariado não exige muitos pré-requisitos. Geralmente, além da boa vontade, exige-se apenas ter mais de 18 anos e inglês intermediário ou nível equivalente da língua do país de destino. O trabalho pode ser feito de maneira independente ou por intermédio de uma agência responsável pelo chamado “volunturismo”, ou seja, “turismo voluntário”.

No primeiro caso, a triagem, contato e candidatura para a instituição é feita por conta, bem como a contratação de voos, hospedagem, seguro saúde internacional e demais burocracias. As agências costumam trabalhar com instituições padrões pré-selecionadas e facilitam o processo, pois oferecem pacotes que já incluem tudo o que é necessário para trabalhar no exterior, incluindo em sua taxa a doação que será convertida para a entidade escolhida. Por isso, ao contratar alguma agência, verifique se as taxas convertidas para a doação são justas.

Links úteis: sites, organizações e agências especializadas

Idealist.org: um imenso banco de dados que reúne e avalia mais de 100 mil organizações em 180 países, é possível filtrar as informações de acordo com a área de interesse.

AIESEC: voluntariados voltados para estudantes de graduação, pós-graduação ou formados há até dois anos. Encara o trabalho voluntário como responsabilidade do jovem e agrupa serviço voluntário e estágios remunerados em mais de 110 países.

World Wide Opportunities in Organic Farms (WWOOF)organizações voltadas ao trabalho em fazendas orgânicas ou em propriedades de pequeno porte de quem precisa de pequenos serviços e ajuda em diversas funções.

Global Volunteer Network: esta ONG carrega o status de Consultor Especial do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas. Suas ações priorizam mulheres e crianças vulneráveis.

Naturally Africa Volunteers: programas centrados em pequenas comunidades da África do Sul, Malawi, Gana, Tanzânia, Namíbia e Quênia em diversas áreas de interesse.

Pesquise com calma todas as possibilidades e funcionamentos de cada instituição e área de interesse. A pressa pode te conduzir a algum trabalho frustrante em que os seus serviços não serão bem aproveitados. Feitas as pesquisas, ajeite suas malas e prepare-se para viver uma nova experiência de viagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.